Reforma sem quebra-quebra

“O quarto do bebê é o tipo de projeto em que todo mundo naturalmente espera o melhor. Para além de ser bonito, precisa ser também prático, acolhedor e seguro e isso é levado muito a sério por nós”, conta a designer de interiores Natália Meyer, que no momento está grávida.

MeyerCortez

Algumas sugestões básicas para uma aventura neste ambiente:

• A melhor economia não é comprar móveis necessariamente baratos, mas de qualidade e com potencial para serem usados por mais tempo do que apenas na primeira infância. Ao fazer esta opção, a vantagem virá a longo prazo, pois não será necessário investir em mobiliário novo nos próximos anos. Como exemplo, podemos pensar em um berço que vire mini cama e em cômoda com a possibilidade de trocador em cima. Madeira em tons neutros, como branco, bege ou o tom natural é sempre uma decisão inteligente e que otimiza.

• O mais importante: a segurança – Tudo o que for comprar para esse tipo de projeto precisa estar certificado e seguindo as regras de segurança. O trocador, por exemplo, deve estar em uma altura que o adulto não tenha que se abaixar para cuidar do bebê e o berço, obviamente, precisa ser escolhido com a máxima atenção: grades devem ter um espaço de 6 cm entre uma e outra para que a criança não prenda mãos e pés entre os vãos, o colchão precisa ter a espessura de – no máximo – 12 cm e densidade D18, tanto a pintura quanto o verniz (depende do tratamento que se queira dar à peça) devem ser feitas com material absolutamente atóxico e, por fim, as bordas e partes salientes devem ser arredondadas ou chanfradas. Continuar lendo

Anúncios